• Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Siga-nos
Please reload

Tags

January 17, 2017

March 29, 2016

Please reload

Posts recentes

Projeto bebês de risco

March 31, 2016

1/10
Please reload

Posts em destaque

Perguntas e Respostas sobre Integração sensorial

April 27, 2014

Como se define Integração Sensorial (IS)?

R.: Habilidade do cérebro de processar e organizar toda a informação que recebe através dos sentidos e preparar uma resposta adequada ao estimulo recebido. Segundo Ayres (1989), define IS como: “ o processo neurológico que organiza as sensações do próprio corpo e do ambiente e torna possível a utilização do corpo dentro do contexto ambiental. Os aspectos espaciais e temporais da informações recebidas de diferentes modalidades sensoriais são interpretados, associados e unificados. Integração sensorial é o processo da informação.”

Quais as sensações que recebemos?

R.: A sensações que recebemos são: táteis, auditivas, olfatórias, visuais, somestésica e gustativa.

O que é disfunção de Processamento sensorial? Como isso ocorre?

R.: A disfunção de modulação sensorial pode ser definida como problemas no ajuste e processamento das mensagens neurais que carregam informações sobre intensidade, freqüência, duração, complexidade e novidade de estímulos sensoriais. Na modulação sensorial, os processos neurofisiológico envolvidos são a habituação e a sensibilização, que ocorrem de acordo com o limiar neurológico de cada individuo, ou seja, de acordo com a quantidade de estímulos necessários para o sistema nervoso reagir.O de habituação ocorre quando o indivíduo apresenta alto limiar neurológico, ocorre muita habituação, diminuem as transmissões sinápticas e o indivíduo responde de forma lenta ou até mesmo apática. Em contrapartida, poderão ser observados comportamentos de busca de estímulos, na tentativa de ampliar suas experiências sensórias acrescentando inputs de movimentos, toques e sons (hiporreação).O de sensibilização ocorre quando o indivíduo apresenta baixo limiar neurológico, ocorre muita sensibilização, rápido disparo das transmissões sinápticas, gerando comportamentos de irritabilidade, excitabilidade, ansiedade ou de fuga daquele estímulo (hiper-reação).

Como a IS contribui para o desenvolvimento neuropsicomotor?

R.: Ela contribui para que o cérebro organize as informações recebidas e dê uma resposta adequada. Se a criança desde de pequena não receber informações sensoriais importantes de forma clara e concisa, isso pode afetar o seu desempenho neuropsicmotor.

Quem realiza esse tratamento? R.: O tratamento é realizado por Terapeutas Ocupacionais ou profissionais com curso de especialização, que avaliam a criança através de observações clínicas, entrevistas com a família e testes, e conseqüentemente desenvolvem um programa individualizado composto de atividades de movimento e estimulação sensorial com orientação familiar e/ou escolar. A terapia ocupacional usa a integração sensorial como estrutura de vários tipos de planos de intervenção, promovendo senso de direção, permitindo um contexto dentro do brincar e facilitando respostas adaptativas nas áreas motora, social, afetiva e cognitiva.

Qual a população que se beneficia desse tratamento?

R.: Crianças com distúrbio do desenvolvimento como, autismo, paralisia cerebral, síndrome do X frágil, deficiência auditiva, deficiência intelectual, prematuros, exposição a drogas durante o período pré-natal, deficiência visual entre outros.

 Quais os lugares onde pode ser aplicada a IS além do consultório e casa?

R: Pode ser aplicada também na escola, quinze minutos antes das aulas promovendo um bom rendimento acadêmico, interação social, aumento da atenção/alerta, concentração, memória e interesse. O desfio sempre na medida certa promovendo a segurança emocional e física da criança. Tem do terapeuta um incentivo constante, reforço positivo e o ambiente sempre seguro, limpo e organizado.

Alguns sinais de problemas na integração sensorial:

1. Falta de força e tônus muscular, o que pode resultar em má postura e fadiga.

2. Má consciência espacial e desenvolvimento pobre da percepção de posição, resultando em insegurança durante os movimentos.

3. Falta de coordenação entre os dois lados do corpo. A criança pode ficar desajeitada e confusa quando as duas mãos precisam trabalhar em conjunto, como para atividades de cortar ou escrever.

4. Falta de coordenação entre os olhos e o corpo, de modo que há uso ineficaz de informação visual para auxiliar no desempenho de ações.

5. Atenção de curta duração. A criança geralmente tem dificuldade em focar nas tarefas que precisa fazer.

6. Lentidão ao desempenhar ou aprender tarefas motoras novas, uma vez que precisa pensar sobre cada movimento que faz. Desajeitada, bate-se nas coisas ou cai muito parecendo não ver os obstáculos no caminho.

7. Comportamento hiperativo; a dificuldade em concentração faz com que perceba todas as coisas ao mesmo tempo e não consiga se concentrar em uma só.

8. Sentido tátil mal desenvolvido, fazendo com que não goste de ser tocada, tenha dificuldade em aprender sobre a forma e textura das coisas. Por outro lado, pode não perceber seu espaço pessoal e tocar demais as pessoas, chegar perto demais.

9. Criança extremamente difícil para se alimentar: só come comidas com um certo tipo de textura, ou na mesma temperatura.

10. Apresenta medo excessivo, isola-se

11. Dificuldade em graduar a força que precisa para manipular objetos ou tocar as pessoas.

12. Problemas em usar e entender linguagem, resultando em problemas na fala, leitura e escrita. Problemas na articulação da fala sem razão aparente.

Um abraço,

Caroline

Please reload

CLÍNICA VIVERE

The Square Open Mall – Granja Viana
Rodovia Raposo Tavares – km 22,5
Bloco F, Salas 106 e 107
 
Tel 11- 2898-9851
WhatsApp 11- 9 8876-2992
contato@vivereclinica.com
  • Branca Ícone Instagram
  • Branco Facebook Ícone