• Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Siga-nos
Please reload

Tags

January 17, 2017

March 29, 2016

Please reload

Posts recentes

Projeto bebês de risco

March 31, 2016

1/10
Please reload

Posts em destaque

Paralisia Cerebral

April 5, 2014

Formas clínicas da Paralisia Cerebral - Espástica

Escrevo hoje sobre as formas clínicas da PC ou ECNE.A ECNE é classificada de acordo com o distúrbio do movimento em quatro grandes categorias:

-Forma espástica-

Forma atetóide-

Forma atáxica-

Formas mistas ou seja, a combinação de duas formas anteriores.

Hoje falaremos a respeito da forma mais comum (70 a 80% dos casos) e também de classificação mais complexa que é a espástica.A forma espástica é caracterizada pela hipertonia espástica - aumento do Tônus ou rigidez muscular. De acordo com os membros afetados classificamos como hemiparesia/plegia ou tetraparesia/plegia, se acometer os membros de um mesmo lado ou os quatro membros. A forma diplegia/paresia crural ou doença de Little, se caracteriza pelo acometimento mais intenso nos membros inferiores.A forma tetraplégica, dupla hemiparesia ou ainda denominada forma quadriplégica da PC espástica é a mais grave, correspondendo a 5% dos casos. Estas crianças conseguem no máximo ficar sentadas com apoio e raramente conseguem manipular objetos. Além disto esta forma está associada a distúrbios da deglutição e fonação, o que denominamos quadro pseudobulbar além de comprometimento cognitivo associado. São geralmente indivíduos restritos à cadeira de rodas e dependentes nas suas atividades.A forma hemiplégica não costuma ser diagnosticada no período neonatal, mas sim entre quatro a nove meses de idade, quando a criança começa a manipular objetos e os pais acabam por notar o uso preferencial de um dos membros, sendo erroneamente considerados como "destros" ou "canhotos" precocemente. Em geral há predomínio do déficit no membro superior, negligência dos membros acometidos e presença de sincinesias, isto é, movimentos involuntários dos membros afetados que acompanham a movimentação voluntária. Estrabismo é freqüentemente associado à esta forma de ECNE. Deficiência intelectual não é freqüente, e quando presente costuma ser leve. Esta está fortemente correlacionada com a presença de epilepsia, que pode ser focal ou secundariamente generalizada, sendo controlada com medicamentos na maioria dos casos.A forma diplegia/paresia crural ou doença de Little se caracteriza pelo evidente acometimento dos membros inferiores, havendo também constante acometimento dos membros superiores porém menos intenso e detectável apenas num exame cuidadoso. Clinicamente observa-se hipertonia dos músculos extensores e os adutores mais evidentes na marcha, à qual se denomina marcha em tesoura. A marcha geralmente é adquirida apenas após o terceiro ano de vida. Nas formas menos graves pode-se observar apenas eqüinismo (posição na ponta dos pés). As funções intelectuais na forma diplégica são relativamente preservadas e quando há acomentimento cognitivo, este costuma ser leve. Epilepsia é incomum, sendo geralmente de fácil controle. Estrabismo e problemas visuo-perceptivos podem ser freqüentes. A forma diplégica está geralmente associada à prematuridade.Na próxima semana abordaremos as outras formas de apresentaçao clínica da ECNE.

Um abraço e boa semana

Dra Alessandra

Please reload

CLÍNICA VIVERE

The Square Open Mall – Granja Viana
Rodovia Raposo Tavares – km 22,5
Bloco F, Salas 106 e 107
 
Tel 11- 2898-9851
WhatsApp 11- 9 8876-2992
contato@vivereclinica.com
  • Branca Ícone Instagram
  • Branco Facebook Ícone